YouTube Preview Image


YouTube Preview Image

Miguel Araújo – “Balada Astral”  com Inês Viterbo –  Letra e Acordes

Intro: E  A  E  B  E  Dbm  B  A  F#m  B  

       E          A 
Quando deus pôs o mundo  
     E     B 
e o céu a girar  
E          Dbm 
bem lá no fundo  
B                A 
sabia que por aquele andar  
F#m            B 
ele te havia de encontrar  

      E         A 
minha mãe no segundo  
        E         B 
em que aceitou dançar  
E          Dbm 
foi na cantiga  
 B              A 
dos astros a conspirar  
F#m              B 
e do seu cósmico vagar  

Dbm          G#m 
mandaram teu pai 
G           E    A 
sorrir para tua mãe  
G#m      Dbm 
para que tu  
    F#m A  F#m B 
existisses também  

       E      A 
era um dia bonito  
      E           B 
e na altura eu também  
E      Dbm 
o infinito  
B           A 
ainda se lembrava bem  
F#m           B 
do seu cósmico refém  

  E          A 
e eu que pensava  
       E          B 
que ia só comprar pão  
E            D#m 
e tu que pensavas  
    B           A 
que ias só passear o cão  
   F#m          B 
a salvo da conspiração  

   D#m      G#m 
cruzamos caminhos  
    G      E     A 
tropeçamos no olhar  
   G#m        D#m 
e o pão desse dia   
  F#m A   F#m  B 
ficou por comprar  

 E  A  E  B  E  Dbm  B  A  F#m  B  

  E          A 
e ensarilharam-se  
     E         B 
as trelas dos cães  
E             D#m 
os astros os signos  
   B               A 
os desígnios as constelações  
     F#m         B 
as estrelas os trilhos  
  F#m    A     B    E    B 
e as estradas dos dois  

( E  A  E  B  E  Dbm  B  A  F#m  B ) (2x)

 

Letra – Lyrics
Balada Astral

Quando Deus pôs o mundo
E o céu a girar
Bem lá no fundo
Sabia que por aquele andar
Eu te havia de encontrar

Minha mãe, no segundo
Em que aceitou dançar
Foi na cantiga
Dos astros a conspirar

Que do seu cósmico vagar
Mandaram o teu pai
Sorrir pra tua mãe
Para que tu
Existisses também

Era um dia bonito
E na altura, eu também
O infinito
Ainda se lembrava bem
Do seu cósmico refém

Eu que pensava
Que ia só comprar pão
Tu que pensavas
Que ias só passear o cão
A salvo da conspiração
Cruzámos caminhos,
Tropeçámos num olhar
E o pão nesse dia
Ficou por comprar

Ensarilharam-se
As trelas dos cães,
Os astros, os signos,
Os desígnios e as constelações
As estrelas, os trilhos
E as tralhas dos dois