“No meu tempo, os géneros alimentícios não eram fotografados. Hoje ninguém começa a comer sem tirar uma fotografia ao prato. A gente vai jantar fora e é um festival de pirilampos”.